Como Vender na Internet

Como Vender na Internet

Se você procura sobre como vender na internet, saiba que o primeiro passo é criar um loja virtual para a sua empresa. Todavia, não é qualquer e-commerce que irá te fazer vender mais na internet, pois a plataforma de vendas online precisa disponibilizar uma boa navegação para o carrinho de compras, segurança ao possível comprador, um design que passe confiança e uma loja virtual que seja rápida, não causando desgaste ao usuário que a acesse.

Como Vender na Internet
criar loja virtual grátis

Como vender na internet: criação de loja virtual grátis

Qualquer um que assista ao vídeo em destaque nesta seção sobre como criar uma loja virtual grátis na eSites, terá a certeza de que a resposta sobre como vender na internet passa por nós, pois tudo pode ser feito com muita intuitividade e rapidez.

Outro diferencial, que ajuda a vender mais na internet, é a ampla gama de opções de design de e-commerce que disponibilizamos aos que queiram criar uma loja virtual com a gente. O que está esperando? Vá agora mesmo à Home da eSites e faça seu próprio site vendas online, tudo com a maior facilidade!

Como vender na internet: produtos que mais vendem

Agora que você já possui a tecnologia, é hora de entender quais são os produtos que mais vendem na internet e o porquê. Para isso, é muito importante saber que o Brasil é um país de dimensões continentais, onde o frete pode influenciar em muito no preço final do produto para vender online. Dessa forma, é importante levar em consideração este fator em sua pesquisa sobre como vender na internet e escolher produtos que tenham uma margem de lucro que compense a transação ao cliente final quando este compara as opções que estão ao seu redor no mundo físico. Entretanto, caso você negocie itens que não possuam preço superior a R$ 250,00 reais, por exemplo, o que deve compensar o envio da compra a frete grátis, você pode configurar esta opção para soma de aquisições que atinjam tal valor, ou estabelecer cestas de produtos ou, ainda, definir nas opções da loja virtual que a compra só pode ser efetuada caso o usuário compre um certo número de unidades do que você vende, opção de muitos que utilizam a plataforma de vendas online da eSites.

Como vender na internet: carrinho de compras

Observe, na imagem destacada nesta seção, como é o carrinho de compras do site de vendas online que fornecemos aos nossos parceiros. Ele sobrepõe parte da tela, obrigando que o cliente o veja, bem como quantidade de cada produto o o preço dos mesmos, garantindo, assim, uma navegação de compra completamente transparente. Este tipo de carrinho de compra, em nossos testes com clientes de grande audiência, proveram um aumento de 15% no número de transações da loja virtual. Sendo assim, se você ainda tem alguma dúvida sobre como vender na internet, entre em contato com a gente, teremos o maior prazer em esclarecê-la!

O que Vender da Internet: Carrinho de Compras

Marketing online para vender na internet

Agora que você já sabe como contruir uma loja virtual de excelência para vender na internet, é hora de fazer o marketing digital. Para isso, as primeiras opções são o Facebook, Instagram e o Google Ads. Todas as 3 são escolhas de peso na web mundial, pois contam com a grande maioria dos usuários como frequentadores. Entretanto, é importante ressaltar algumas diferenças entre as visitas advindas das redes sociais e dos buscadores. As primeiras, obviamente, não estão procurando ativamente o seu produto, estavam fazendo tudo, menos isso, e foram abordadas por uma propaganda do seu negócio. Já as segundas, estão fazendo uma busca ativa pelo seu serviço ou produto, o que faz com que sejam mais valiosas e, por isso, tenham um custo por clique mais caro.

Acreditamos que ambas as praças mencionadas sejam válidas para testes, pois já presenciamos variadas empresas apostando numa ou noutra alcançando resultados diversos. Sendo assim, gostaríamos de destacar alguns conhecimentos técnicos e dicas que te auxiliarão nessa aventura empreendedora.

Publicidade no Facebook e Instagram para vender na internet

Muitas empresas pagam agências de publicidade para gerenciarem as redes sociais. Quando se possui caixa mais livre, talvez essa seja uma boa opção. Todavia, é preciso pensar que R$ 600,00 por mês representariam 6000 visitas a um custo por clique de 10 centavos. Dessa forma, se você achar que vale a pena dispensar uma tarde por mês do seu tempo para te viabilizar essas 6 mil visitas a mais, sugerimos que compre alguns banners no Graphic River, instale o Photoshop, edite-os e configure as campanhas iniciais você mesmo. Talvez isso te tomará um tempo maior no início e até gere uma certa frustração, mas quando o dinheiro começar a entrar no seu bolso, verá que valeu à pena.

No vídeo adiante, mostramos como gerar o Facebook Pixel, código com o qual seu site é integrado ao Facebook Ads, viabilizando dados às redes sociais para gerar seu relatório de retorno sobre o investimento, pois é mediante essa programação que os contatos e compras acontecidos no seu site são apresentados para análise.

Vídeo sobre como gerar o código do Facebook Pixel. Com ele em mãos, é só entrar em contato com nosso suporte que o ativaremos pra vc ;-)

Vídeo sobre como integrar as ações de contato e compra do seu site ao Facebook Ads

Agora que seu site já está integrado aos relatórios de publicidade online do Facebook e Instagram, é hora de, efetivamente, apresentar os dados nas colunas da planilha padrão que mostra o retorno do investimento em cada grupo de anúncios ativado nas redes sociais. Para isso, basta seguir as duas imagens abaixo:

Quem vê a eSites hoje, já grande e com centenas de clientes satisfeitos, não imagina que eu, Diego Lopes, tive que andar 12 km todos os dias para estudar no centro de treinamento da ADOBE, em Belo Horizonte, ou mesmo comer algumas pizzas que sobraram bem embaladas no lixo da república em que eu morava nos Estados Unidos, quando trabalhei para algumas empresas de tecnologia no Vale do Silício, California, dividindo um porão com mais 8 pessoas, cada uma de um lugar do mundo diferente. 

Essas experiências moldaram, não apenas o meu caráter, mas, também, a estratégia de vendas da empresa, sempre pautada no que é certo e melhor para o cliente, que, conosco, é sempre visto como um parceiro de peso.

Minha história na web começou em 2002, aos 14 anos, quando fiz o meu primeiro site, um ambiente online para compartilhar as fofocas da turma da escola, um pouco antes do tempo em que tudo virou bullying. Nessa época, contávamos com mais de 50 visitas todos os finais de semana, o que, para nós, era um mundo de gente, mas que veio a ser um número muito tímido perto das centenas de milhares de visitas mensais que interagem com algum site do nosso grupo. Entretanto, esse conhecimento adolescente, serviu para seguir carreira em uma das áreas mais difíceis da atualidade, especialmente no Brasil, onde o investimento privado é minguado e quase qualquer passo no setor público exige o pagamento de propina, como foi a triste descoberta que tive mais adiante.

Aos 19 anos, abandonei o curso de Publicidade e Propaganda na Unileste, em Ipatinga – MG, e fui estudar na UNIBH, a faculdade tecnológica de Produção Multimídia, para também abandoná-la para conseguir 15 certificados em sistemas como o Photoshop, Premiere e After Effects, que hoje se somam ao meu conhecimento em programação para conseguir fazer com que a eSites cresça cada vez mais.

Ainda em Belo Horizonte e já fora da faculdade, investi meu tempo extra nos estudos de blog e WordPress, a plataforma software livre na qual nosso sistema se baseia. Obtive mais de 3 mil visitas por dia com blog e 5 mil dólares por meio do Google Adsense, a plataforma de publicidade online da famosa multinacional. Com esse dinheiro, comprei um Fiat Uno de 96 enquanto eu estudava Administração, agora na UFV e fora da loucura da cidade grande, onde havia tentativas de me assaltar quase que semanalmente.

Após algum tempo de curso, ficou claro de uma vez que a vida acadêmica não era para mim, que não abandonei, nem por um dia, as atividades empreendedoras. Logo no segundo período em Viçosa, comecei a trabalhar para o CPT (Centro de Produção Técnicas) empresa então líder no ramo de cursos em DVD. Lá, conheci meu sócio Phellipe Kelbert, que embarca no quadro da empresa como um talentosíssimo programador, essencial para manter o servidor, sistema de clique e arraste e alguns gateways de pagamento sempre sendo atualizados. Ademais, também gerenciamos juntos mais de R$ 1.000.000,00 de reais em investimentos no Google Ads e conquistamos mais de 20 mil visitas por dia para o nosso empregador. Essa aventura só foi possível graças a uma excelente equipe que abraçou nossos projetos dentro da empresa e foi extremamente competente nas demandas que criávamos. Com 21 anos tivemos uma experiência de gerenciar um grande setor de marketing, com jornalistas, designers e programadores.

Depois de sair do CPT, atuei junto à concorrência, que era uma empresa muito menor e, em vista disso, tive uma boa visão de contraponto acerca do mercado em geral. Pouco tempo depois, abandonei minha terceira faculdade, vendi meu carro e me mudei para o Vale do Silício, nos EUA, região que abriga empresas como Facebook, Apple, Google e muitas outras do ramo. Vivi lá por mais de um ano, melhorei meu inglês e voltei para o Brasil, certo de que com essa “puta” experiência, um excelente emprego não ia me faltar.

Qual não foi a minha supresa ao constatar a bagunça na qual se encontrava o país ao final de 2014. Com a nação quase à beira de um colapso mercadológico, não adiantou mandar currículo para milhares de instituições, ninguém me chamou para conversar. Foi então que apareceu a oportunidade de ter a eSites incubada em um órgão federal ligado à UFV e ao SEBRAE. Fiquei muito feliz e me mudei novamente para Viçosa. Contudo, bastou algumas semanas para eu verificar que, para conseguir fazer o que precisava com a verba mais facilmente disponível, o SEBRAETEC, eu precisava viailizá-lo por meio de uma entidade executora, nome dado a empresas que atendem ao órgão, que apesar de sobreviver via impostos, se enxerga como uma empresa privada e age como bem entende.

Essa barreira na licitação inviabilizou completamente meus sonhos de conseguir fazer a empresa crescer mediante o caminho apresentado pelas vias governamentais, pois código não é uma commodity como banana. Esse, 99% da vezes, é fornecido por apenas uma empresa, que a líder naquela demanda e, por isso mesmo, deve ser a escolhida como parceira. Fiquei ainda mais surpreso quando descobri que havia um jeito de conseguir os poucos dólares que eu precisava (à época nem mil) para crescer a empresa: pagando uma “verba administrativa” à entidade executora que me liberaria o dinheiro para eu fazer o que quisesse. Obviamente, apesar do pomposo nome, isso é propina. Não aceitei a chantagem e amargurei 6 meses de prejuízo, me mudando novamente para a minha cidade natal logo em seguida.

Já em Ipatinga, fiz algumas parcerias com agências de publicidade para, a seguir, estabelecer alguns contratos próprios e fundar as bases para o crescimento da eSites.

Obviamente, eu poderia escrever um livro sobre minha aventura como empreendedor e os acontecimentos envolvidos no caminho. Contudo, espero que esse pequeno texto tenha te convencido da nossa seriedade e grande capacidade tecnológica. Caso tenha mais alguma dúvida, acerca da nossa história ou do site para advogados com serviço de marketing online, me coloco à disposição para esclarecê-la! ;-)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *